CURRÍCULOS DAS FIADEIRAS

28424232_1557930167635867_1558246249238864079_o.jpg
1.JPG

CAMILA SHUNYATA

 Formação de Ator na Escola Livre de Teatro (2000 a 2003) e SENAC-SP (2002), com graduação em Produção Cultural, Bacharelado e Licenciatura no curso de Dança e Movimento pela Universidade Anhembi Morumbi (2008) e Pedagogia pela UNICEU-UNIVESP (2017-2021); Pós-graduada com especialização em Mitologia Criativa, Contos de Fadas e Psicologia Analítica Junguiana pela Universidade Paulista (2019); Extensão Universitária “Enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes” realizada pela Universidade Aberta do Nordeste da Fundação Demócrito Rocha (2019-2020); Participou da Jornada Infâncias Plurais do Itaú Cultural com o desenvolvimento do vídeo-arte autoral, dentro da pesquisa do Grupo Pontos de Fiandeiras: “Cores para a Infância”; É uma das fundadoras do grupo Pontos de Fiandeiras desde 2011. Atividades como atriz, produtora cultural, dramaturga, pesquisadora: 2016 “Ponto Corrente” (atriz e produtora) com dramaturgia de Adélia Nicolete e direção de Jé Oliveira; 2016 “Sementeira” (atriz e produtora) e Teatral Rizoma com dramaturgia de Vivian Darini e direção de João Paulo Maranho; 2015 “Histórias de tocar viola” (atriz, produtora, co-dramaturga) com dramaturgia de Camila Shunyata e Vivian Darini; 2013 “Ponto Segredo. Primeiros Fios” (atriz e produtora) – Texto de Adélia Nicolete e Direção de Sérgio Pires; 2012 “Roca de Fiar” (atriz e produtora) com Texto e direção Pontos de Fiandeiras; 2006.

Integra o Coletivo Nos Educando, formado por artistas-professories que reflete sobre a educação pública, e que desenvolveu o projeto cênico virtual “Essa é a história da Carteira que voou” por meio do Programa PROAC Nº1/2019 da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, com estreia em mai/2021 e que contou também com um ciclo de vivências ‘Nos educando entre nós: pegadas de des-formação nos caminhos da arte’. No coletivo conduziu atividades de pesquisa-estudos e também integrou as atividades de criação de roteiros de vídeo arte - filmagem-edição, assim como de atriz. O projeto prossegue em desenvolvimento online devido a pandemia e cuidados necessários com distanciamento físico e protocolos sanitários, mas tem a intenção de se estabelecer, quando possível e seguro, em atividades performáticas em ambientes educacionais e culturais. São pautados neste trabalho alguns temas para refletirmos junto ao público sobre os problemas, urgências e utopias surgidos do chão da escola pública: As questões de gênero, a violência das desigualdades, a morte e obediência, a transgressão, a cura e a utopia.

Foi orientadora da disciplina de Produção Cultural na Formação 19 e 20 de Atores e Atrizes da Escola Livre de Teatro de Santo André (2018); Educadora Social na Capacitação Profissional de Jovens e Adultos na Fundação Criança de SBC (2015-2017);

Foi aluna especial em disciplina de Mestrado “Imagens: história, memória e teoria” com a Dr. Rita Bredariolli no Instituto de Artes da UNESP – 2013. Participou do Workshop “Do Pensamento ao Movimento” - Compagnie Á Fleur de Peau (França) – 2007. Participou do Núcleo Teatro Contemporâneo/ Direção Teatral – Coordenado por Antonio Araújo e Luis Alberto de Abreu – 1999 a 2000. Trabalhou com a Cia Teatral Casa de Marias como coreógrafa no espetáculo "Quem pode é quem tem juízo" com dramaturgia de Eduardo Bartolomeu e Direção de Edgar Castro, uma criação que fez parte do projeto  “Travessia”  contemplado pelo Prêmio Myriam Muniz 2014;

Também trabalhou com a Cia a Quatro Mãos no espetáculo  “A Rainha do Rádio” na função de orientadora do Estudo do Movimento junto ao Felipe Gomes Moreira, Roberta Marcolin Garcia, Leandro Félix,  Rodrigo Camini e Romário Oliveira; Dramaturgia: José Saffioti Filho; Concepção e interpretação: Bárbara Zampol e Isabella Veiga; Direção de cena: Juliana Monteiro; Direção de elenco: Edgar Castro, um  projeto realizado com o apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Estado da Cultura – Programa de Ação Cultural – 2012; “A Queda”, "Eles não sabem o que é o Brasil", Osvaldo Raspado no Asfalto"(Direção de Antônio Rogério Toscano, Claudia Schapira, Georgette Fadel, Gustavo Kurlat e Juliana Monteiro - 2003 a 2006), "Tipo Assim" e "Leo não pode mudar o mundo", com coletivo Teatro de Asfalto, na função de  atriz e produtora; “Carolina, que menina! Só não sabia voar...” como atriz e produtora - Direção Grupo Teatral Parlendas – 2008; “EntreTantos” como bailarina - Direção: Lucilene Favoretto, Valéria Cano Bravi, Luiz Xavier e Tânia Marcondes;  ; “A Saga do Menino Falcão”  na função de atriz - Direção: Cláudia Schapira, Roberta Estrela D’Alva, Luis Alberto de Abreu e Marcelo Milan – 2004. Coordenou o Núcleo de Ação Cultural – CEU São Mateus - 2010 a 2013; Foi educadora de Teatro do Projeto SE LIGA – Sesc Santo André – 2010; atua como professora de arte para crianças e jovens do ensino Fundamental I, II e médio na Secretaria Municipal de Educação da  cidade de São Paulo desde o ano de 2017.

28828566_1583223165106567_9134458788114889109_o.jpg

Fernanda Henrique 

Formação de Ator na Escola Livre de Teatro de 2008 a 2012. Graduanda em Artes Visuais pela FMU. Trabalhou nos espetáculos: “Ponto Corrente”– Pontos de Fiandeiras com Dramaturgia: Adélia Nicolete / Direção: Jé Oliveira (atriz); Sementeira – Pontos de Fiandeiras , Dramaturgia: Vivian Darin / Direção João Paulo  (atriz Stand –in); “O mais simples seria não começar”. Cia Aporia

Direção: Vinicius Torres Machado / Direção de movimento: Thiago Antunes (atriz); “Um homem é um homem”. Escola Livre de Teatro de Santo André

Coordenação: Mariana Senne, Ana Roxo, Thiago Antunes, Lúcia Gayotto e Cristiano Gouveia (atriz); Realizou a Coordenação, Organização e atuação em eventos realizados pela ARCA Associação Ribeirãopirense de Cidadãos Artistas; Apresentações em eventos de culturas populares com grupo de pesquisa em cultura popular “Toadas Atrovadas”; Cia Caixote de Rua: intervenções cênicas em ações sindicais; Os Cegos e o elefante: espetáculo infantil – Grupo Teatral Bolinho de Arroz (atriz); Zé, a cruz e a rua: espetáculo de rua livremente inspirado em “O Pagador de Promessas” Grupo Teatral Bolinho de Arroz  (atriz); Espetáculo “A mão estendida” – 2004. Direção: Cristiano Redicopa (atriz); O Pagador de Promessas: montagem baseada no texto de Dias Gomes (atriz).  

ROBERTA MARCOLIN GARCIA

Formação de Ator na Escola Livre de Teatro de 2000 a 2003. Finalizou em 2008 o curso de Ensino Superior em Teatro na Universidade Anhembi Morumbi. Como atriz, diretora ou produtora atuou nos seguintes espetáculos: 2018 “Lavadeiras Têm Poder” (diretora) – Cia 3 Entradas; 2016 “Ponto Corrente” (atriz e produtora) – Pontos de Fiandeiras com dramaturgia de Adélia Nicolete e direção de Jé Oliveira; 2016 “Sementeira” (atriz e produtora) - Pontos de Fiandeiras e Teatral Rizoma com dramaturgia de Vivian Darini e direção de João Paulo Maranho; 2015 “Histórias de tocar viola” (atriz e produtora) - Pontos de Fiandeiras com dramaturgia de Camila Shunyata e Vivian Darini; 2013 “Ponto Segredo. Primeiros Fios” (atriz e produtora) – Texto de Adélia Nicolete e Direção de Sérgio Pires (vencedor de Melhor Dramaturgia no Prêmio CPT 2013 e como Melhor Espetáculo no Festival de Teatro de Paranavaí 2014) ; 2012 “Roca de Fiar” (atriz e produtora) com Texto e direção Pontos de Fiandeiras; 2006 “A Queda” (diretora e produtora) com Teatro de Asfalto; 2007 Cindi Hip Hop” (atriz) – Melhor Dramaturgia no Prêmio CPT 2008 e Melhor Espetáculo Juvenil Prêmio Femsa 2008 – Núcleo Bartolomeu de Depoimentos; 2003 “Osvaldo Raspado no Asfalto” (atriz) com direção de Antônio Rogério Toscano, Claudia Schapira, Georgette Fadel, Gustavo Kurlat e Juliana Monteiro. Como produtora, arte-educadora e no desenvolvimento de outros projetos integrou: desde 2019 é Professora de Arte do Fund. 2 e do Ensino Médio no Sesi Santo André; de 2018 a 2019 atuou como docente do Curso Técnico de Teatro no Senac São Miguel Paulista.

Em 2014 participou do “Ateliê de escrita de memórias e ficção” sob orientação de Adélia Nicolete; em 2010 participou do Workshop de Teatro Essencial sob orientação de Denise Stoklos; em 2004 integrou o Núcleo de Pedagogia Teatral da ELT sob orientação de Francisco Medeiros; em 2001 realizou o Workshop “A Presença Cênica do Performer” sob orientação de Jan Ferslev (do Odin Teatret, Dinamarca); em 1999 integrou o Núcleo de Estudos do Teatro Contemporâneo sob orientação de Antônio Araújo e Luis Alberto de Abreu; em “A Queda” (diretora, preparadora corporal e produtora) com Teatro de Asfalto.  “Nossa Cidade” (atriz) com Direção de Simone Boer - 2008; “Frátria Amada Brasil” e “Acordei que Sonhava” (atriz) com Núcleo Bartolomeu de Depoimentos e Direção Claudia Schapira; “

VIVIAN DARINI

Escola Livre de Teatro  (Núcleo de Estudos do Teatro Contemporâneo – Dramaturgia (2007/2008) e Núcleo de Dramaturgia). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – Instituto de Artes da UNESP/SP – Licenciatura Arte-Teatro. Principais Espetáculos: Cairel: Linha e Carretel (dramaturga) Direção de Antônio Correa Neto, Cia Feijamkarroz; Ponto Segredo, Primeiros Fios (atriz e cenógrafa) Dramaturgia de Adélia Nicolete e Direção de Sérgio Pires, Pontos de Fiandeiras; Ponto Corrente (atriz) Dramaturgia de Adélia Nicolete e Direção de Jé Oliveira, Pontos de Fiandeiras; Sementeira (dramaturga e atriz), Direção de João Paulo Maranho, Cia Rizoma Teatral e Pontos de Fiandeiras; Histórias de Tocar Viola (atriz e co-dramaturga) Dramaturgia compartilhada com Camila Shunyata e direção do grupo Pontos de Fiandeiras; Roca de Fiar (atriz) Dramaturgia e Direção Pontos de Fiandeiras; Pé de Conto (atriz e co-autora dos contos narrados) Concepção e Direção Pontos de Fiandeiras; O livro Mágico (atriz e dramaturga) Direção de João Paulo Maranho, Grupo Garagem de Teatro. Professora de Teatro e coordenadora do departamento Barão Artes no Colégio Barão de Mauá até 2020; atualmente leciona Arte,Teatro e Musicalização Infantil no Colégio Elite Opção, Mauá/SP e produz conteúdos culturais para a ONG LEBEM em Ribeirão Pires/SP.